DK uma notícia, Adilson!

26/06/2009

Pão de queijo mineiro na terra dos vikings?!?

Um casal (ele dinamarquês, ela tcheca) aqui da DTU tem amigos no Brasil e foram passar uma semana de férias no Rio e em São Paulo em marco p.p. Após voltarem, falaram que tinham provado o irresistível pão de queijo servido no café da manhã do hotel no Rio  e tinham gostado muito… claro que disse a eles que o pão de queijo em Minas Gerais É O MELHOR do Brasil e aí caí numa cilada, pois então eles pediram uma receita, já que moro em Uberlândia (apesar de ser goiano, cabe esclarecer bem este ponto!!!).

A parte mais difícil para fazer pão de queijo aqui é encontrar polvilho (“manioc starch”) e queijo minas meia-cura!!! O polvilho pode-se tentar substituir pelo de batata (o que vou experimentar em breve), mas e o queijo minas, ainda meia-cura??? Os queijos dinamarqueses são todos muito moles para pão de queijo (tipo queijo prato no Brasil, que aliás dizem que foi criado por dinamarqueses que migraram para o sul de Minas, uma adaptacão do queijo Danbo, muito comum aqui… mas este é uma outra estória). A solucão deste complexo problema, pelo menos no que concerne ao queijo minas, na minha opinião, é misturar um pouco de mossarela ralada com baixo teor de gordura (facilmente encontrável aqui) com um pouco de parmesão ralado. A mossarela entra com o volume e a liga e o parmesão com o sabor e cheiro acentuados!

Pão de queijo mineiro (receita para gringo!)

Pão de queijo mineiro (receita para gringo!)

Todo este exercício logístico porque minhas lombrigas são analfabetas e burras e não sabem (ou fazem de conta que…) que não estou mais no Brasil e aqui não tem pão de queijo!!!!

Ah! Surfando na net encontrei este site que vende pão de queijo e pastel de carne congelados (despacha para toda a Dinamarca, a partir de Århus): http://pastelhuset.com/br/book.html

Uma (quase) alternativa ao pão de queijo é este biscoitinho rápido de queijo e kümmel que está no blogue do Ericson:
http://ericsonsantos.blogspot.com/2009/05/biscoitinhos-rapidos-de-queijo.html

Segue abaixo a receita então do genuíno pão de queijo mineiro traduzida livremente por mim ao Inglês… talvez possa ser útil para alguém compartilhar com outros nativos da Dinamarca ou de qualquer outro lugar que entenda Inglês e que um dia tenha provado e gostado deste petisco das terras mineiras…

(more…)

Anúncios

22/06/2009

Frutas, verduras e legumes na Dinamarca

Eu cresci e morei até os 16 anos numa fazenda no interior de Goiás, no município de Itarumã. Lá consumiam-se (e ainda consomem-se) muitas frutas e verduras, aquelas frequinhas e nutridas com adubo orgânico. Acho que foi por isto que adquiri o (saudável) gosto por frutas, verduras e legumes.

Além disto, como sou vegetariano tento incluir no meu cardápio uma boa variedade de  frutas, verduras e legumes (além de fontes de proteína, como leguminosas, castanhas, nozes, ovos, leite e cereais integrais), pois eles são fundamentais para um aporte de nutrientes adequado, incluindo vitaminas, sais minerais, anti-oxidantes, acúcares etc.

Aqui na Dinamarca praticamente todas as frutas e verduras são importadas. Isto ajuda a explicar o preço “salgado” delas. O preço médio de uma banana do tipo nanica, de média a grande, é R$ 1,00 (já convertido)! As mais comuns vêm da América Central e do Sul. Já vi uvas da África do Sul, pêras da Argentina, maçãs do Brasil etc.

Beterraba, só em conserva!

Beterraba, só em conserva!

As verduras/legumes mais comuns e mais baratos aqui são: tomate, alface (tipo cabeça fechada), cenoura, pepino (estilo japonês aí no Brasil, só que maior), pimentão (verde, vermelho e amarelo – os sabores são bem mais suaves, em comparação aos equivalentes brasileiros), cogumelo champignon (cogumelo é verdura?), brócolis (só encontrei aqui o tipo japonês, que aliás eu gosto mais!), repolho verde e roxo (ambos tem folhas bem duras), batata inglesa e rabanete. Outras opções, mais caras, incluem: abobrinha, aspargos, espinafre, aipo, salsão e outros tubérculos que não sei o nome. Cebola e alho são comuns também! Um detalhe: beterraba só se encontra em conserva, como a da foto, e é muito gostosa.

Nas lojas orientais (chinesas e tailandesas) e árabes (turcas e paquistanesas) que ficam atrás da estação central de trem de Copenhague é possível achar banana de fritar, mandioca, farinha de mandioca (comprei e não gostei, pois ela quase não é torrada e tem um gosto de massa crua de mandioca), vários tipos de feijões (que nos supermercados quase só tem em lata, já cozido), lentilhas, ervilhas, grão de bico etc. Arroz é fácil de encontrar em qualquer supermercado, tanto do tipo parboilizado, quanto do tipo oriental que quando cozido fica “unidos venceremos” (bom para fazer sopa ou risoto). Mas prepare o bolso, pois o quilo não sei menos de 4 reais!

As frutas mais comuns e mais baratas são: laranja (bem diferente das brasileiras e muito saborosas), ameixa, pêra, kiwi, maçã (de vários tipos) e morango. Abacaxi e melancia, só compro quando estão em promoção! O abacaxi é o tipo ananás e a melancia geralmente é do tipo sem semente (as uvas também). Esta melancia da foto comprei ontem na promoção, por 15 coroas (uns 5 reais), sendo que o preço normal dela é em torno de 50 coroas (uns 20 reais). Ah! O abacaxi vem com uma etiqueta, igual a que vem nas roupas, ensinando a descascá-lo!!! Acho que até hoje os dinamarqueses ainda o consideram uma fruta muito exótica! 🙂

Exemplo de melancia, abacaxi e laranja.

Exemplo de melancia, abacaxi e laranja.

Há também as frutas típicas da Europa, como mirtilo (“blueberry”),  cereja, framboesa etc, mas aqui elas são bem carinhas!

A variedade de frutas, verduras e legumes, no geral, é muito menor do que no Brasil. Por exemplo, enquanto lá se encontram facilmente vários tipos de abobrinha, aqui só vi um tipo até agora. O mesmo vale para o pepino, laranja, abacaxi etc. Em contraposição, a qualidade é muito superior.

Lugares para se comprar frutas e verduras (veja outras dicas interessantes e endereços web no blogue do Ericson):

  1. Supermercados populares: Netto, Aldi, Fakta, Super Brugsen – a variedade é pequena e a qualidade é aceitável/razoável, em geral superior aos equivalentes produtos brasileiros; é onde se encontra o menor preço;
  2. Supermercados mais sofisticados: Føtex, Irma, Super Best – a qualidade geralmente é de muito boa a excepcional, os preços são mais altos e há uma boa variedade;
  3. Quiosques (ou Kiosk): há aqueles com foco em frutas e verduras (como o da foto), com bancas expostas nas calçadas, geralmente a qualidade é muito boa e os preços são equivalentes aos dos supermercados tipo 2; há também os quiosques tipo mercearia, bem pequenos, que geralmente abrem todos os dias (os supermercados tem horário de funcionamento bem reduzido e não abrem aos domingos, exceto o primeiro de cada mês);
Exemplo de um quiosque de frutas e verduras.

Exemplo de um quiosque de frutas e verduras.

Todo supermercado faz promoção toda semana (incluindo todos os produtos) e a diferença de preço é enorme, quando o produto está em promoção! Vale a pena passar pelas páginas na web dos supermercados e olhar os artigos em promoção (ou passar numa loja e pegar o livrinho).

Pague com dinheiro; cartões de crédito, geralmente só com chip e a maioria dos estabelecimentos só aceitam o Dankort, um cartão de crédito da Dinamarca. Alguns estabelecimentos cobram taxa extra por usar cartão, então sempre é bom perguntar antes.

Há uma boa oferta de produtos orgânicos também, porém são mais caros, aliás, bem mais caros!!! São chamados aqui de “ecológicos”, e vão de frutas, verduras, legumes a farinha de trigo, de centeio, aveia, sopas, geléias etc.

Blog no WordPress.com.